quarta-feira, 19 de julho de 2017

Lançamento do livro “A Ciência e o Poder Legislativo no Brasil”



O livro será lançado nesta 5a. feira, dia 20 de julho, no Café Literário, que está localizado na ExpoT&C, na UFMG. O evento integra a 69a. Reunião Anual da SBPC.

Cientistas contemplam criar partido político para ter voz no Congresso Nacional


Helena Nader fala na cerimônia de abertura da
reunião anual da SBPC 2017. Foto: Pietro Sitchin/SBPC.
Lideranças científicas estão contemplando a possibilidade de criar um partido político, para tentar ganhar uma voz no Congresso Nacional. O partido seria dedicado exclusivamente às causas da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação, e não pleitearia cargos no Poder Executivo — apenas no Legislativo. A ideia, que circula pelos corredores da reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Belo Horizonte, seria lançar a presidente da entidade, Helena Nader, como candidata a deputada federal. Matéria na íntegra.

Fonte: Estadão.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Artigo: Informação Para a Vida

INFORMAÇÃO PARA A VIDA



Fonte da imagem: portaldobibliotecario.com


Bruno Lara.

Eu diria que a informação é como o ar. Respiramos naturalmente, sem percebermos como se dá o processo, faz parte do nosso viver. A informação está aí, aos montes, em abundância. Ela nos molda, educa, deseduca, orienta, dá o tom do nosso humor e das nossas perspectivas. É um bem biocultural que contribui, e muito, para sermos quem somos, para fazermos o que fazemos.

A vida em sociedade requer de nós um movimento para entendermos, ou pelo menos tentarmos entender, o movimento de informações, nem sempre tão caóticas e desarticuladas. Para compreendermos onde vivemos, geográfica, cultural, política e psicologicamente, é importante identificar os cenários de informações travados na arena política e midiática, não apenas na grande mídia, mas também nela.

Ok, não é tarefa das mais fáceis para quem é espectador, quem de certa forma recebe as questões e as respostas “prontas”, para quem não tem proximidade com o processo de construção de discursos, de significados. Mas, há saídas. Uma delas é acompanhar diferentes e conflitantes pontos de vista, questionar o porquê de determinado veículo ou autor selecionar essa e não aquela informação, essa e não aquela fonte para embasar a sua narrativa.

Essa clareza é difícil até mesmo para quem trabalha e entende minimamente a arte das correntezas vivas nos oceanos da informação. Mas, essa complexidade não nos desobriga da tarefa de tentar purificar o ar que respiramos.  Pelo contrário. É um dever ético (tento utilizar esse termo com responsabilidade e prudência, até mesmo para não contribuir para a banalização do conceito).

Talvez essa desconfiança nos leve à descrença em relação a ações e intenções humanas, comumente recheadas de fisiologismos e conveniências. Realmente, essa ótica reflete parte da realidade. Parte. Porque também integra o campo de interações informacionais aquela informação a serviço do compromisso com o outro, do respeito à dignidade e à inteligência do outro. Impasses fazem parte. Mas, há maneiras de mediação através da informação, que pode ser discretamente autoritária e pouco democrática em ambientes de debates, muitas vezes unívocos, mas também pode ser emancipatória, enriquecedora, libertadora, tanto individual quanto coletivamente. É um cenário tanto de direitos quanto de deveres, tanto de conquistas de espaços quanto de reconhecimento e cessão.


Portanto, apesar de tanta fumaça, de informação e desinformação, de pós-verdades, de falsos debates ou debates mal travados, há que se ter esperança. Não só como obrigação, mas como realidade. A “boa informação” encontra locais de reprodução nessa nossa sociedade, nesse nosso cenário da opinião pública. A “informação para a vida” tem os seus agentes de produção e replicação, que estão onde mais se espera, mas também onde menos se espera. Daí, purificamos!

quinta-feira, 6 de julho de 2017

‘Soundtrack’, com Selton Mello e Seu Jorge, explora o conflito entre ciência e arte




A pergunta apareceu de forma aleatória durante uma conversa: e se fosse produzido o primeiro filme brasileiro inteiramente situado na neve? A dupla de cineastas Bernardo Dutra e Manitou Felipe, que respondem pelo nome 300ml, levou a sério a proposta que fizeram a si mesmos. Com a ambientação definida, escreveram um roteiro que desenvolvia os temas que queriam explorar: o conflito entre arte e ciência e o valor da amizade.

O resultado, o filme “Soundtrack”, em cartaz a partir desta quinta-feira, é uma meditação sobre o relacionamento entre seres humanos em condições de extremo isolamento, com um elenco brasileiro, representado por Selton Mello e Seu Jorge, e internacional, liderado pelo britânico Ralph Ineson (o Dagmer Cleftjaw, da série “Game of thrones”). Continue lendo...

Fonte: O Globo.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

UFJF inaugura Centro de Ciências: 'Será a menina dos olhos da Universidade', diz diretor



Planetário deve ser concluído até agosto, segundo estimativa da UFJF (Foto: Ciro Cavalcanti/Divulgação)
Planetário deve ser concluído até agosto, segundo estimativa da UFJF (Foto: Ciro Cavalcanti/Divulgação)

Centro de Ciências da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) será inaugurado nesta segunda-feira (3). Após a solenidade, as pessoas poderão conhecer algumas áreas que já estão em funcionamento. A instituição investiu em equipamentos e em tecnologia para ter o complexo de divulgação científica mais completo do país, como destacou o diretor Eloi Teixeira. Continue lendo...

Fonte: G1.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Neuroze é alimento do autoritarismo

Pessoas estressadas são um prato cheio para 
virarem massa de manobra política

Tem muitos médicos que gostam de dizer que “os hormônios determinam a sua realidade”. Faz sentido. Muito do nosso bem-estar depende da saúde hormonal. No entanto, um aspecto pouco discutido sobre isso é que a questão hormonal não é um problema pessoal apenas, que fica na esfera do indivíduo. É um problema social. Ouso até a dizer que a saúde hormonal pode influenciar condições políticas e sociais de grande escala.

Um belo exemplo disso é o impacto das mídias sociais como moduladoras emocionais ao longo do dia. Há várias pesquisas científicas mostrando hoje uma correlação entre o uso recorrente de redes sociais e a busca por descargas de dopamina. A dopamina não é um hormônio, mas sim um neurotransmissor responsável por recompensar esforços motivados. Em outras palavras, é responsável pelo bem-estar que sentimos com relação a determinadas tarefas. A dopamina é liberada, por exemplo, quando recebemos elogios ou temos a sensação de que alguém nos observa com admiração.

Ora, as redes sociais são uma máquina de levar a esse tipo de sensação. O vício de tirar o celular do bolso inúmeras vezes ao longo do dia, para verificar se alguém deu “like” em algo que postamos, está intimamente ligado com a busca por dopamina. Quanto mais uma rede social consegue provocar essa sensação, mais “viciante” ela se torna.

Para além da dopamina, vale falar também no cortisol, conhecido como o hormônio do estresse. Ele é fundamental para diversas funções corporais. É também o hormônio que ativa a resposta do corpo perante situações de emergência. No entanto, como vivemos em um momento de múltiplas “emergências” o tempo todo, os níveis de cortisol para muita gente estão para lá de elevados. 

Eleitor nervoso
Isso leva à clássica situação da pessoa “estressada”. Irritabilidade, transtornos de sono, dificuldade de relaxar e de pensar com calma e profundidade. Em outras palavras, a pessoa passa a viver uma vida de “visão em túnel” enxergando apenas o que tem na sua frente, perdendo a “visão periférica” que permite estar ciente do ambiente onde vive e dos aspectos mais amplos da sua vida. Em síntese, perde a capacidade de “self-awareness”.

E é exatamente esse tipo de situação que vem sendo explorada politicamente. Tem muitos grupos políticos que hoje medem o comportamento das pessoas na internet para determinar se a pessoa está estressada ou até mesmo neurótica. As pessoas estressadas e neuróticas são facilmente manipuláveis e são um prato cheio para virarem massa de manobra política. Pessoas nessas condições ficam especialmente propensas a aceitarem mensagens que estejam carregadas de sentimentos como medo, insegurança, raiva, autoridade e até mesmo violência.

Ouso dizer que há uma correlação entre os níveis de neurose em uma determinada sociedade com o avanço de correntes política extremistas, autoritárias e militaristas. Nesse sentido, além de todos os problemas que o estresse e a neurose podem trazer para o indivíduo, um dos fatores mais perversos está nessa perda parcial do livre-arbítrio.

Com isso, a questão hormonal (e do bem‑estar de modo geral) precisa começar a ser pensada do ponto de vista social, e não apenas individual. Pessoas sem estresse ou neuroses são mais inteligentes, empáticas,  tomam melhores decisões e aprendem mais. São também mais caridosas e criativas. 
Essas características irradiam-se positivamente pela sociedade (e pelas redes sociais). Em suma, um dos desafios para tirar o Brasil do buraco é reduzir a quantidade de neurose que circula entre nós.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Novo livro da RedPOP: Diagnóstico de divulgação na América Latina

A obra, que contou com a participação de 123 instituições de 14 países da América Latina, está disponível na internet

A RedPOP, a Rede de Popularização da Ciência e Tecnologia na América Latina e no Caribe, lançou, nessa terça-feira, 27, o livro “Diagnóstico de la divulgación de la ciencia en América Latina: una mirada a la práctica en el campo”. O livro, disponível gratuitamente pela internet, é resultado de um estudo que teve por objetivo analisar as ações de divulgação científica e tecnológica realizadas por instituições em toda a América Latina.

De acordo com a RedPOP, durante o ano de 2016, uma das atividades centrais da Rede foi a realização de um primeiro diagnóstico de todas as instituições que realizam ações de divulgação da ciência e da tecnologia na região.

O estudo teve como objetivo identificar as modalidades de divulgação da ciência realizada na região e dimensioná-la quantitativamente; identificar e caracterizar os segmentos de público atendidos nas atividades de divulgação; e identificar as condições favoráveis e desfavoráveis que existem nos países da América Latina no que diz respeito à divulgação da ciência.

No total, colaboraram com a pesquisa 123 instituições de 14 países da América Latina. Os autores do trabalho são Maria de Lourdes Patiño Barba, Jorge Padilla Gonzáles e Luisa Massarani.

O diagnóstico foi elaborado e conduzido por Fibonacci-Innovación y Cultura Científica e pela RedPOP, e contou com a participação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A publicação eletrônica foi apresentada no Museo Universum, da Universidad Nacional Autónoma de México, e contou com a presença de um grupo de divulgadores e comunicadores da ciência que participam e estão envolvidos com as atividades de divulgação na região.

O livro está disponível neste link.

Fonte: Jornal da Ciência.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Baixe o livro "Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação”


Está disponível para download gratuito o e-book “Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação”, organizado por Regina M. Marteleto e Ricardo M. Pimenta, do IBICT/UFRJ.


Jornalistas brasileiros organizam congresso pioneiro para fortalecer jornalismo de educação no país





Um ano depois de lançar a Associação de Jornalistas de Educação (Jeduca), a organização vai promover seu primeiro Congresso de Jornalismo de Educação para debater os desafios que a atividade jornalística enfrenta no atual cenário da cobertura de notícias.

O evento, que ocorre na Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, entre os dias 28 e 29 junho, vai contar com mesas, debates e oficinas sobre jornalismo de educação, em uma época em que o assunto tem perdido atenção e espaço nas redações. Matéria na íntegra.

Fonte: Knightcenter.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Inscrições abertas para o 5º Salão Nacional de Divulgação Científica



O evento faz parte da programação da 69ª RA da SBPC, o maior encontro científico da América Latina, que acontece de 16 a 22 de julho, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte

Já estão abertas as inscrições para o 5º Salão Nacional de Divulgação Científica. O evento faz parte da programação da 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), o maior encontro científico da América Latina. As atividades ocorrem de 16 a 22 de julho, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte.

Com o tema “Impacto da ciência na sociedade”, o 5º Salão tem como objetivo a promoção da divulgação científica, da cultura nacional e a integração entre estudantes, professores, pesquisadores e comunidade em geral. Além disso, as atividades que serão realizadas durante o evento buscam aproximar a produção de conhecimento acadêmico da realidade social brasileira. No salão, haverá mesas de debates, oficinas e mostra de ciência e tecnologia.

Para participar, basta se inscrever no endereço www.salaonacional.org.br/inscricao. A programação completa da 69ª Reunião Anual da SBPC pode ser conferida aqui.

Fonte: ABC.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Curso dá vida a histórias comuns que integram acervo do Museu da Pessoa


Em uma proposta de revivificar o acervo de histórias do Museu da Pessoa, Sandra Lessa criou o curso Narradores de Vida, que começa no sábado (13), às 9h, na sede da organização.

A ideia é que os narradores participantes mergulhem na autobiografia e no acervo do museu e transforme essas memórias em pequenos solos de cena, utilizando teatro, dança e outras aptidões. "Com a ferramenta da arte, queremos potencializar ou revelar a poesia que tem o outro", explica Sandra.

O Museu da Pessoa tem em seu acervo mais de 16 mil depoimentos em áudio, vídeo e texto e cerca de 72 mil fotos e documentos digitalizados. Ele foi fundado por Karen Worcman, historiadora que foi finalista do Prêmio Empreendedor Social 2005.


Fonte: Folha de SP.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Ifes oferta 810 vagas em pós-graduações a distância

Ao todo são 810 vagas e podem se inscrever candidatos graduados
em qualquer área de conhecimento

O Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) recebe inscrições, até o dia 25 de abril, para cinco pós-graduações lato sensu na área de Educação, na modalidade a distância, em parceria com a Universidade Aberta do Brasil (UAB). Ao todo são 810 vagas e podem se inscrever candidatos graduados em qualquer área de conhecimento.

Cada curso possui alguns polos municipais de apoio presencial, conforme tabelas disponíveis no edital 29/2017. As oportunidades são para os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Profissional e Tecnológica (150 vagas); em Educação: Currículo e Ensino (160 vagas); em Informática na Educação (150 vagas); em Ensino Interdisciplinar em Saúde e Meio Ambiente na Educação Básica (200 vagas); e em Metodologias e Práticas para o Ensino Fundamental (150 vagas). A taxa de inscrição é de R$ 68. 

Fonte: Gazeta Online.

Curso de Editoração Científica da ABEC apresentará um software gratuito que auxilia na organização de pesquisas


Entre os dias 21 e 23 de junho, a Associação Brasileira de Editores Científicos (ABE) promoverá seu XXV Curso de Editoração Científica (CEC). O objetivo do evento, que será realizado no auditório “Altino Antunes”, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP), é capacitar os participantes para praticarem uma divulgação científica de qualidade. Continue lendo...

Fonte: ABEC Brasil.


sexta-feira, 31 de março de 2017

sábado, 25 de março de 2017

EDICC 4: inscrições até 30 de março

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Resistência - Perspectivas na Cultura, Ciência e Tecnologia. Esse foi o tema escolhido para nortear os debates d​o 4º Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura, evento organizado pelos alunos de pós-graduação do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo - Labjor/Unicamp. Inscrições até 30 de marçoConfira!

Salão Nacional de Divulgação Científica


Revolução Pernambucana vira quadrinhos

Comics über die Pernambuco Revolution 1817 in Brasilien (Ueon Productions)
O roteiro, assinado por Eron Villar, é baseado no livro do jornalista Paulo Santos Oliveira,
também pernambucano.


Pouco antes de se tornar oficialmente independente de Portugal, o Brasil abrigou, durante 74 dias, uma pequena república libertária e abolicionista, muito diferente da monarquia absolutista vigente.

Único movimento separatista do período colonial que ultrapassou a fase conspiratória, a Revolução Pernambucana de 1817 é pouco conhecida entre o grande público. Mas isso pode, aos poucos, mudar. Desenhista da Marvel e da DC Comics, o pernambucano Thony Silas acaba de lançar A Noiva, uma história em quadrinhos sobre a revolta republicana, que está completando 200 anos. Matéria na integra.

Fonte: DW.